Parabenos nos cosméticos, bom ou ruim?

Imagem: Google
No último domingo falamos sobre como ultimamente o interesse por cuidar mais da saúde tem aumentado quando se fala em cabelo e pele. Técnicas e produtos diferenciados são lançados no mercado com o intuito de deixar sua pele e cabelos mais bonitos e saudáveis.

Ressalto que essa iniciativa é ótima. Porém, será que você entende quais os benefícios e os malefícios das substâncias presentes nos seus cosméticos?!

E por isso no último domingo falamos sobre o Sulfato presente nos Xampus e hoje falaremos sobre os famosos Parabenos presentes nos produtos cosméticos.

Primeiramente, o que são os parabenos e onde estão presentes?

De acordo com o Food and Drugs Administration (FDA) do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo dos EUA, os parabenos são uma classe de compostos químicos, normalmente utilizados como conservantes, principalmente em cosméticos conferindo proteção contra micróbios e outros microrganismos. Segundo o próprio FDA, entre os produtos que podem conter parabenos estão maquiagens, desodorantes, hidratantes, loções, esmaltes, óleos e loções infantis, produtos para o cabelo, perfumes, tinta para tatuagens e até mesmo cremes de barbear. Além de cosméticos, podemos encontrar esses compostos em certos tipos de alimentos e remédios. Os tipos mais comuns são o metilparabeno, o propilparabeno, o etilparabeno e o butilparabeno, entre outros.

Resumindo: Os parabenos são conservantes utilizados principalmente nos cosméticos e outros produtos com o intuito de garantir tanto a integridade do produto quanto a saúde do indivíduo que o usa.

Agora vem o X da questão: Se os conservantes servem para garantir a integridade do produto e a saúde do indivíduo que o utiliza, porque então eles são tão mal vistos por algumas pessoas?

A polêmica em torno dos parabenos começou em meados de 2004 com a publicação de um estudo onde os cientistas encontraram concentrações de parabenos em tecidos de tumores mamários de mulheres que usavam antitranspirante com parabenos. Porém, após a divulgação desta pesquisa, muitos pesquisadores se posicionaram contra a metodologia utilizada dizendo não concordar com esta ligação entre os parabenos e o câncer de mama. Mesmo assim, bastou esse primeiro estudo para que se iniciasse uma discussão sobre a segurança dos conservantes nos produtos em que utilizamos e consumimos.

Mas atualmente, o que as pesquisas dizem?

Atualmente, tanto a Sociedade Americana de Câncer (ACS), quanto a Agência Internacional pelo Estudo do Câncer (IARC), que faz parte da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmam que não existem provas contundentes que possam relacionar os compostos químicos parabenos com o desenvolvimento de câncer. Ainda assim, outros estudos apontam que o consumo de produtos que possuem parabenos podem causar alergias cutâneas e o envelhecimento precoce da pele. E foi comprovado também que o parabeno interfere no sistema endócrino de humanos e animais por ter uma atividade estrogênica, e por conta disso ele é considerado um disruptor endócrino(substâncias que podem alterar a função do sistema hormonal no nosso organismo).

Sabendo disto, o que a legislação Brasileira define?

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabeleceu como limite as concentrações máximas de 0,4% de cada parabeno e um máximo de 0,8% de parabeno total, no produto cosmético. Entretanto, em 2013 em sua tese de mestrado Parabenos: Convergências e Divergências Científicas e Regulatórias, Christiane da Silva Coelho da Universidade Estadual de Londrina após cautelosa revisão bibliográfica diz o seguinte:

"Deve ser sugerido as autoridades regulatórias:

1. Redução para 0,19% das concentrações dos derivados de propil e butil parabeno permitidas em produtos cosméticos;

2. Proibição do uso de todos os derivados parabenos em produtos não-enxaguáveis para crianças de até 3 anos de idade;

3. Manutenção da legislação em vigor para os derivados metil e etilparabeno, porém mantendo-se a preocupação com a segurança frente ao desenvolvimento da ciência;

E que levando isso em consideração, deve-se promover a realização de mais estudos sobre o tema."

Resumindo: Não é possível AINDA medir com certeza quais os malefícios(ou não) causados pelos parabenos e em quais concentrações eles são realmente seguros. Porém, a legislação brasileira estabeleceu parâmetros para o seu uso até que sejam feitas descobertas que possam provar a sua segurança ou seus malefícios para a nossa saúde.

Mas Mirley, então devemos ou não devemos utilizar cosméticos e produtos com parabenos?

Na minha opinião, devido a falta de estudos com comprovação científica o consumidor deve estudar sobre o assunto e a decisão de consumir ou não produtos que levem parabenos em sua composição deve ser exclusivamente do mesmo. Eu (Mirley Wohlers), optei por evitar sempre que possível o uso de produtos com parabenos. Existem algumas opções no mercado que são totalmente livres dessa substância. Como por exemplo: Sal da Terra, Herbia, Ikove, Est, MultiVegetal, entre outras.

Obs: Esse post foi feito baseado principalmente em 2 fontes e você pode vê-las na íntegra clicando AQUI e AQUI.

Se ainda ficarem quaisquer dúvidas sobre o assunto deixem aqui embaixo nos comentários que eu vou tentar ajudar da melhor maneira possível, ok?

Espero que tenham gostado e pra ficar de olho em tudo que rola por aqui não esquece de curtir afanpage do blog e me seguir no instagram, snapchat e bloglovin. É tudo mirleywohlers, tá? 

Um super beijo!

Nenhum comentário

Postar um comentário