4 coisas que eu gostaria de ter aprendido mais cedo sobre minha pele oleosa.


O Brasil é um país tropical, abençoado por Deus, bonito por natureza... e cheio de pele oleosa pra todo lado! Sim, você e eu estamos nesse barco juntamente com mais da metade da população brasileira. Lidar com pele oleosa em climas mais amenos é até fácil, mas o calor, a umidade e a maior exposição ao sol em boa parte do país são fatores que contribuem pra piorar o que a genética e os hormônios nos deram de presente.

Pra muita gente a história é a mesma: a crise começa na adolescência e seguem-se anos de tentativa e erro até aprender a lidar mais ou menos bem com nossas peles brilhantes. E não pensem que é fácil, não! Além dos fatores ambientais, a gente tem que lidar com informação de todo tipo e dificuldade de achar produtos realmente efetivos (mil testes até encontrar algum que não piore nossa situação), além da frustração com as tendências gringas maravilhosas de maquiagem que bem... nunca funcionarão na nossa pele.

"Strobing? Vogue, kirida, eu já nasci assim!"

Depois de muitas conversas com amigas, nos apoiando nessa vida ~lipídica~ e trocando muitas dicas, resolvi compartilhar com vocês algumas coisas que eu, infelizmente, só aprendi depois de muito tempo, mas que me ajudaram muito na relação com a minha pele.

1. Trate sua pele com suavidade: temos a tendência de achar que pele oleosa precisa de muita limpeza, muito tônico, muita esfoliação, muito tudo. Mas deixa eu te contar uma coisa, migx: se sua pele é oleosa é porque esse é o equilíbrio natural dela. Você pode até controlar a produção de sebo, mas você NUNCA vai conseguir transformá-la numa pele normal naturalmente matificada. O jeito é se conformar e tentar deixar sua pele o mais saudável e bonita assim, oleosa mesmo. 

E pra controlá-la tudo que você NÃO deve fazer é limpar em excesso. Porque quanto mais você retira a oleosidade natural da pele, mais sebo ela produz. Então é pra aceitar que a meta é retirar o excesso, não deixar a pele super seca. Aliás, muitas peles oleosas são também sensíveis. Mais um motivo pra tratar sua pele com amor.

Portanto, nada de sabonetes que ressequem demais. O mesmo vale para os tônicos adstringentes. Quando adolescente ficava frustradíssima porque quanto mais eu lavava e tonificava com aqueles produtos de farmácia super fortes que faziam propaganda na Capricho, pior minha pele ficava. Fuja do álcool como o diabo foge da cruz! Ele vai ressecar demais, estimulando o efeito rebote, além de ser um grande causador de irritação.

Essa regra também se aplica à esfoliação! Grânulos pequenos usados duas  a três vezes na semana fazem muito mais efeito do que aquele esfoliante grosseiro esfregado com força no rosto. Então é isso: carinho, tá?

2. JAMAIS ESPREMA CRAVOS E ESPINHAS EM CASA: essa foi em caps lock pra ver se eu aprendo de vez! hahaha... Já entendi isso há tempos, mas não tem jeito. Vez ou outra eu faço isso, mesmo sabendo que o cravo espremido vai virar uma espinha e a espinha espremida vai se transformar em outra muito pior! Peles oleosas tem maior tendência a cravos e espinhas porque eles nada mais são do que sebo acumulado nos poros, sem e com inflamação, respectivamente. Só que ao espremer em casa, mesmo com as mãos "limpas", você vai colocar mais bactérias na sua pele "rompida" e não vai ter como fechar aquele poro pra ele se curar devidamente. 

Eu sei. Até a Britney faz isso. Mas tenta se controlar, tá?

E falando em como tirar os cravos devidamente vem a terceira coisa que eu também demorei pra aprender...

3. Limpeza de pele profissional não é frescura, é necessidade: como eu já falei, se você tem pele oleosa tem 150% de chances de desenvolver muitos cravos, porque né... sebo pra formá-los é o que não falta. Se você tem pela oleosa e acneica então, melhor nem comentar. Minha dermatologista sempre me dava uma bronca toda vez que eu voltava pra revisão, pois eu raramente fazia limpezas de pele (tipo duas vezes no ano). Não tem jeito. Mesmo usando os produtos adequados direitinho, algum sebo vai se acumular e entupir os poros, e pra evitar tragédias isso tem que ser retirado com limpeza de pele PROFISSIONAL. É um processo muito mais asséptico, que vai abrir seus poros pra poder retirar tudo da forma menos traumática possível e depois fechá-los e cicatrizar as feridinhas pra evitar que sua pele infeccione ainda mais. A frequência é o estado da sua pele que diz. Cheguei à conclusão de que pra mim o ideal é fazer mensalmente, no máximo a cada um mês e meio. Você vai ver como é um dinheiro bem pago.

4. Hidratante sim: essa foi a que eu mais demorei a aprender, e a que ainda me causa problemas. Porque achar produtos de limpeza e tratamento noturno que funcionam é fichinha comparado à saga de encontrar um hidratante que faça o trabalho sem causar meleca. Eu ainda não encontrei um que me deixasse 100% satisfeita, mas continuo testando e usando os que não me agradam totalmente mesmo assim, porque entendi uma coisa básica: OLEOSIDADE NÃO É HIDRATAÇÃO! A hidratação fica dentro da pele, água para as células, que beleza. A oleosidade impede que a água vá embora, formando uma camada protetora. O que ocorre é que se a sua pele estiver seca (sem água), o que é perfeitamente possível de acontecer mesmo embaixo de litros de óleo, sua pele vai entender que precisa produzir ainda mais óleo pra evitar que a pouca água que ela tem evapore! Aí você vai e limpa demais (volte ao tópico 1), deixa ela ainda mais ressecada, não repõe a água e... um círculo vicioso do mal está instalado na sua cara para sempre. Por favor, não deixem de hidratar!

Você, jovem, ou pessoa não tão jovem que ainda vive uma relação conturbada com sua pele, cola na vó aqui que vai dar tudo certo. Só mais duas coisinhas: minhas dicas vieram de anos de tentativas e erros COM ACOMPANHAMENTO PERIÓDICO DE UM DERMATOLOGISTA. A gente aprende as coisas com o tempo, mas minha experiência lutando com minha pele desde os 11 anos de idade não substitui de jeito nenhum o acompanhamento de um profissional, ok? E por último, o mais importante: o primeiro passo pra conviver bem com seu rosto oleoso é se esforçar pra amá-lo do jeitinho que ele é. Não é a coisa mais fácil e agradável do mundo de se ter, mas ele faz parte do seu corpo, faz parte de você. [Além de te poupar umas rugas no futuro. ;) Alguma vantagem tinha que ter, né? hahaha]

"Eu me amo, e amo você, rostinho oleoso. 
Sem você não sou ninguém. <3 "

Vamos todos nos amar, amar nossos rostinhos, e compartilhar aprendizados? Se alguém tiver alguma experiência oleosa positiva, sinta-se à vontade pra deixar nos comentários, tá?

Ah, e pra acompanhar tudo que tá rolando por aqui não esquece de curtir a fanpage do blog e seguir a gente lá no bloglovin (é só procurar por Mirley Wohlers) e pelo instagram @miiwohlers.

Beijos e até a próxima! :*




Nenhum comentário

Postar um comentário